SETOR SECUNDÁRIO

Este setor compreende as atividades industriais as quais somam uma série de equipamentos e tarefas – trabalhos realizados pelo Homem - para transformar matérias primas em bens fabricados, destinados ao uso da sociedade humana. Por exemplo, o algodão (matéria prima), depois de alterada, modificada e moldada por uma série de operações, resulta em tecidos e, posteriormente, em vestuário que é um bem destinado ao consumo. Em nosso entorno se encontram vários objetos cujas matérias primas passaram pelo processo de industrialização.

A indústria moderna tem a sua característica maior na divisão do trabalho. Nos findos da Idade Média, a manufatura era de natureza exclusivamente artesanal: era comum a mesma pessoa – tecelão, marceneiro, ferreiro, ceramista e etc. – buscar na natureza a matéria prima e através do seu trabalho alterá-la e criar o produto do qual necessitava. Com o passar do tempo, através da experiência, o Homem acumulou conhecimentos técnico-científicos sobre sua manufatura e, inclusive, da natureza a ponto de se organizar em oficinas. Mais tarde, com o surgimento da máquina a vapor, na segunda metade do século XVIII, passaram a se desenvolver as indústrias que conhecemos hoje, grandes e avançadas, com sua produção organizada em série onde cada pessoa se especializa em tarefas específicas sobre uma parte do produto.

A) Indústria extrativa

Outrora, o extrativismo foi a atividade mais importante praticada pelo Homem e, durante muito tempo, esta foi uma atividade exclusiva do Setor Primário. Hoje, tornou-se essencial, pois diante da necessidade cada vez maior de matérias primas o extrativismo se vale do uso de equipamentos (máquinas, aparelhos eletrônicos e etc.) e técnicas industriais e, assim, ele passa a figurar no Setor Secundário.  Prova disto, para abastecer as indústrias com matérias primas, são exemplos a pesca que utiliza embarcações modernas e radares para localizar os cardumes; e a mineração, que utiliza máquinas e aparelhos sofisticadíssimos para tirar grandes quantidades de minérios das jazidas que originarão os metais, o petróleo e o carvão mineral que são utilizados como fontes de calor e energia.

B) Indústria de Transformação

É assim chamada porque transforma, ou seja, altera e modifica as matérias primas obtidas do Setor Primário (agricultura, pecuária e extrativismo tradicional) e do Setor Secundário (indústria extrativa: mineral e pescado) em bens utilizados pela sociedade humana.

MATÉRIA PRIMA

 

BEM PRODUZIDO

Couro

1 (111)

Calçados, bolsas, cintos e roupas.

Madeira

1 (111)

Móveis.

Minérios ferrosos

1 (111)

Tesouras, facas, máquinas e tratores.

Petróleo

1 (111)

Plásticos, fertilizantes, gasolina e óleo diesel.

Plantas

1 (111)

Remédios.

Algodão

1 (111)

Tecidos.

Cana-de-açúcar

1 (111)

Álcool combustível e açúcar refinado.

A indústria de transformação é a de maior destaque entre as atividades industriais praticadas pelo Homem. Sendo que, conforme os tipos de bens e finalidade para a qual são produzidos, classifica as indústrias de transformação em três tipos: Indústrias de Bens de Produção, Indústrias de Bens Intermediários e Indústrias de Bens de Consumo.

þ Indústrias de bens de produção

São conhecidas também como Indústrias de Base, pois produzem bens, ou então, recursos que serão utilizados por outras indústrias. É o exemplo das indústrias siderúrgicas, que produzem aço e ferro tão necessários à fabricação de uma larga variedade de produtos industrializados, como automóveis e máquinas. Segue com igual importância as metalúrgicas (metais) e as petroquímicas (óleo diesel, gasolina, plásticos, asfalto e etc.)

þ Indústrias de Bens Intermediários

As indústrias de bens intermediários têm um papel muito importante, porque a partir dela foi possível o surgimento e o desenvolvimento de novos ramos dentro da própria indústria de transformação, já que são elas as responsáveis pela criação e produção dos equipamentos e maquinários utilizados por outras indústrias, como exemplo, fabricadas pelas indústrias mecânicas (teares, tornos, motores e etc.) e as indústrias de equipamentos (peças, autopeças, ferramentas, etc).

þ Indústrias de Bens de Consumo

É a modalidade de indústria que fabrica a maioria dos bens que estão em volta das pessoas. Estes bens, portanto, servem ao Homem ou são diretamente consumidos pelas pessoas. A indústria de bens de consumo se divide em dois tipos conforme a natureza e a finalidade dos bens produzidos:

þ  Indústrias de Bens de Consumo não Duráveis: Fabricam bens que são consumidos em um curto espaço de tempo: Alimentos, cigarros, roupas, remédios, bebidas, etc.

þ  Indústrias de Bens de Consumo Duráveis: Produzem bens cuja durabilidade é maior, ou seja, apresentam uma maior vida útil, pois tendem em demorar para fadigarem e apresentarem algum defeito: móveis, eletrodomésticos, automóveis, microcomputadores, etc.

C) Indústria de Construção

A partir do aumento do fenômeno de urbanização da sociedade a indústria de construção se tornou numa atividade bastante presente nas grandes cidades do mundo, as quais estão em constante modificação e expansão.

A construção de instalações de grande porte, como portos, rodovias e pontes, bem como a de edifícios e até mesmo casas, passou a ser feita com máquinas, utilizando, inclusive, paredes pré-fabricadas. Obtém-se, assim, uma produção rápida e em série. Na indústria de construção destacam-se:

 

þ  Indústria de Construção Naval: Os barcos pesqueiros, as balsas de travessia, navios de carga, petroleiros, transatlânticos, lanchas e etc., são construídas e montadas em grandes estaleiros, inclusive, aquelas embarcações que trouxeram os primeiros imigrantes europeus para a Colônia Blumenau no século XIX.

þ  Indústria de Construção Civil: É o tipo de indústria de construção especializada em edificar espaços públicos destinados aos moradores da cidade, como exemplos, as escolas, os hospitais e prédios de serviços públicos.

þ  Indústria de Construção Pesada: Esta forma de indústria de construção é extremamente importante, pois é a principal responsável pela construção das infraestruturas essenciais de uma cidade, região e país, como exemplos, citam-se as rodovias, aeroportos, túneis, pontes, (usinas hidrelétricas).

Caixa de texto:  SECTUR - Secretaria Municipal de TurismoO Setor Secundário em Blumenau

Caixa de texto: Atividade de Fiação e TecelagemTecelagem, M. Barbetta.jpgPortava consigo o imigrante europeu, além da esperança da autorrealização no novo mundo, seus poucos pertences, mas uma vasta e rica bagagem de saberes – conhecimentos técnico-científicos – avançados para aquela época, desenvolvidos a partir das condições físico-naturais da Europa.

Assim, na segunda metade do século XIX, a porção central e suas adjacências da Colônia de Blumenau contavam com equipamentos como engenhos de farinha e de açúcar, olarias, serrarias, fábricas de charutos e cervejarias. Em seu modelo produtivo acontecia a manufatura de embutidos de carne suína, queijos, manteiga e demais derivados do leite. Neste mesmo século, na década dos anos 1880, instala e se consolida o perfil industrial fabril em Blumenau, além do surgimento do ramo de fundição e gráfica na cidade. Já nas primeiras décadas do século XX emergem as indústrias do ramo alimentício.

Caixa de texto:  SECTUR - Secretaria Municipal de TurismoNo setor secundário do município de Blumenau a atividade industrial é de transformação - manufatureira - e se destaca por sua capacidade de gerar riquezas para o município e, consequentemente, por absorver a mão-de-obra e criação de vagas de empregos.

Caixa de texto: Atividade de Fiação e TecelagemTecelagem, M. Barbetta (3).jpgNo presente, as atividades industriais em evidência e que constituem a base econômica do município estão voltadas ao ramo têxtil e de vestuário seguido pelos ramos de produtos alimentícios e bebidas com o emergente crescimento do ramo das cervejarias artesanais. Igualmente compartilham de relevante importância com as principais atividades industriais do município os ramos da metalúrgica, da mecânica e do setor elétrico, sendo que, este setor é responsável por uma significativa parte da produção nacional. A atividade industrial de Blumenau chama atenção por apresentar singularidades, tais como, o setor cristaleiro, apesar de pouco expressivo, mas o único no Brasil e o setor dos instrumentos musicais, pois aqui se encontra uma das poucas fábricas existentes no mundo de gaitas de boca.

A mão-de-obra empregada na atividade industrial se distribui entre três diferentes portes de indústrias: as grandes e médias indústrias responsáveis por ocupar a maior parte da mão-de-obra; as pequenas indústrias também chamadas de microempresas que, apesar do seu menor porte, participam e contribuem significativamente na economia local, pois empregam expressiva quantidade de mão-de-obra, ou ainda, quando na geração de rendas para pequenas empresas que ocupam a mão-de-obra familiar e dos seus associados.

As pequenas indústrias blumenauenses, em sua maioria, encontram-se no ramo de confecções, onde atuam como uma extensão regional e nacional das grandes malharias desobrigando-as da necessidade de ampliar suas instalações pela transferência de tarefas através da contratação de prestação de serviços terceirizados.

Diante o crescimento econômico possibilitado pela atividade industrial e a consequente prosperidade que incide à região do município de Blumenau faz emergir o segmento da construção civil. Este, por sua vez, é essencial, pois acompanha, concomitantemente, a construção e ampliação dos espaços da atividade industrial e residencial, inclusive, no sentido das infraestruturas públicas e privadas necessárias, tornando-o, assim, executor das mais expressivas transformações do espaço geográfico.

A atividade da construção civil tem uma intensa e benéfica relação de interdependência com as indústrias de transformação, como exemplo, indústrias de cerâmica, madeireiras, siderúrgicas, metalúrgicas, e as extrativas, como pedreiras e extração de areia. Tal relação permite a geração de mais riquezas através da produção de matérias primas e bens necessários a construção e traz como aspecto positivo a oferta direta e indireta de empregos.